Glúteos

Ajeitou a calcinha que insistia escorregar pela sua bunda.

Aliás, agradecia a Deus todos os dias pelas várias coisas que lhe dera, especialmente a bunda. Não que fosse sua fonte de ganha pão. Para isso tinha feito duas boas faculdades, um MBA e perseverara no trabalho.

Mas chegar aos quarenta e cinco anos com uma bunda daquelas não era pra qualquer um. Era realmente perfeita. Celulite nenhuma. Estrias jamais. Nem grande, nem pequena. Parecia desafiar Newton e as leis da gravidade.

Dizia que fora os tantos anos de equitação e Pilates que a deixara deste jeito, mas no fundo sabia que era um bem congênito. Nascera assim.

O resto de seu corpo era igualmente bonito. Seus músculos o tornearam naturalmente, sem carecer de grandes exercícios. Mas igual a bunda, nunca.

Parou na frente do reflexo dos vidros da vitrine de uma loja para ver se a calcinha estava marcando e pensou:

“Que bela bunda você tem, Adilson!!!”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s