Pigmaleão revisited

E aquele pedaço de barro insistia em dizer que ele a havia criado.

Prometeu do fígado partido, no máximo lhe havia dado o fogo de alguma sabedoria.
Tudo o que era ela ou dela, vinha de si. 
Afinal não era artista para pintar uma górgona tão bonita. 
Ainda assim teimava em dizer que os outros a viam com os olhos dele.
Como podia, se seus olhos já haviam sido arrancados como um Édipo infeliz quando tudo aconteceu?
As medusas sempre evitam olhar um espelho. 

O que dizer de um espelho que reflete a própria alma.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s