A nascente dos meus olhos

Sabe aqueles dias em que você está triste e chora, chora e chora, mas chora tanto que parece que vai desidratar? (Não?!?! Pena.)

Bom, volta e meia me acontece isso. E motivos não me faltam. 

A morte do pai, a filha longe, a idade batendo na porta da mãe, a solidão, a maldita dor no fígado.
É, motivos até sobram.
Mas choro também de alegria.

Por um amigo que se cura, por um sobrinho que vence seus limites, por uma filha quando disposta no saguão de um aeroporto, por uma mãe idosa que se supera, por carinho das irmãs ou por uma lembrança boa do pai.

Mas o que eu queria com isso mesmo??

Não lembro. Talvez relatar que choro, seja por precisão ou por necessidade. Por tristeza ou felicidade. Por ódio ou por amor.

E não me envergonho.

Um comentário sobre “A nascente dos meus olhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s