Mock poetry

Fui fruto do delírio 
Quisera do desejo. 
Saber da flor do lírio
Quem dera um beijo. 
Capricho do tédio
Sempre um ensejo
Saber-se remédio. 
Rimar-se com queijo. 
Da vida pobreza, 
Divididido ao meio.  
Dádiva de princesa. 
Poesia besta,
Emoção que represa 
Que um falso soneto atesta. 
Sem som assinado. 

Sobre Hilda e o amor…

Ele:
Que lindo…
de chorar…
A Hilda é sublime…
e você, até nisso é perfeita…
em achar pra mim a poesia exata.
mas não para acalmar meu coração…
Mas para lembrá-lo que ainda existe.
até nisso é meu melhor espelho…
e eu te amo por isso.

Ele citando Hilda Hist que ela citou:
<<< Por que recusas amor e permanência?

Ela citando Hilda no poema que citou pra ele:
<<< E com a dádiva nas mãos tu poderias
Compor incendiado a tua canção
E fazer de mim mesma, melodia.

Ele se citando, repetidamente:
<<e eu te amo por isso.

Ele citando o próprio coração:
como eu poderia amar outra senão tu
como poderia sonhar com outra paz senão do teu lado
nos distanciamos para nos encontrar onde as paralelas se curvam
e se, se curvam,
Se curvam para o (nosso?) amor…