do direito de ser quem se é

Recuperar o falo, sem querer ser rei.
E ainda permitir-se
            sentir,
            rir,
            gritar,
            comandar,
            chorar.

Tragar o charuto,
Sem enfiá-lo entre os olhos de ninguém.
E soprar a fumaça pelos (A/a)res,
E ainda tossir, engasgar-se, sufocar.

Ser Zeus e destruir com raios os inimigos,
                                  e ainda ser Adonis.
Ser Shiva e com um olho destruir um mundo,
                                 ser purusha e ainda ser prakriti.
Ser Afonjá e fazer justiça com o oxê
                                 e permitir-se ser Aganju também.

Sofrer pelas pedras que domina,
Rolá-las até topo do monte e vê-las cairem,
                             suportá-la nas costas,
                                                e ter o figado destroçado por abutres
                                                                    quando acorrentado sobre elas.

Ser homem e ser humano,
tomar posse da minha imortalidade
sem ter o corpo ardido pelo veneno da túnica inverdadeira de Dejanira.