Dos mistérios da doença

A estrada da doença é estreita e só cabe uma pessoa.
Não há quem possa fazer esse caminho com a gente.
Nele, quando muito, só há espaço para os que nos dão de beber e comer
Na forma de carinho e atenção.
Mas encontrar-se frágil
Por solidão.
É assim que se sente o doente. 

Estar doente é estar sozinho com a sua dor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s