Em um velho casarão na avenida Paulista

ter a responsabilidade de tantas perguntas sem respostas.

procurá-las, 
procura 
e pra curá-las 
se achar (persona) sabedora 
tanto, tanto e tantum
e ser,ao mesmo tempo, 
nada.
necessariamente ser mais
ou ser um to(d/l)o para colher
os pedaços do que chamo 
alma.
(ver a primeira lasca doer de ter nascido
sabendo que a cada minuto 
a pedra da vida nos leva)
odiar ser e ver-se nada 
                             (pára si)
          para os outros.
olhando um deseborrão de carvão preto molhado e escorrido
no espelho d’alma deslavadamente suja
e sonhar, e sonhar e sonha…
em terminar o texto sem sequer pergunta
pois as perguntas não estão nas palavras escritas
mas nas escondidas.
E A RESPOSTA?
essa, talvez, seja A PERGUNTA.