Piratininga

Não sei se louvo
Ou grito à cidade gris. 
Neurótico,
Esquizofrênico,
Suicida. 
Ser seu filho
É sobreviver aqui.
Cidade Medéia
Cidade Maria
Cidade monstro. 
Sentiu meus passos, 
o primeiro.
E conhecerá o derradeiro.
Sentiu o meu pular e meu claudicar,
na alegria e na doença.
Os joelhos da minha filha engatinhar
E a longitude do meu pai a se deitar uma última vez.
Aparou chutes e joelhos,
Meus ódios, minhas quedas.
Engoliu cada lágrima
De todas as minhas dores.
É daqui que sempre fujo 
Para logo querer voltar.
Ah! Cidade de peixes secos, 
Ah! Villa de Piratininga.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s