Certeza nenhuma me fascina…

Se na verdade oculta da fantasia de cada um está o absoluto, sou um nada, um vazio, por  que me recuso a essa totalidade. Se erro, e ah! como erro! é por me considerar humano.

Tento a todo minuto acertar meus erros para tentar alinhavar um perspontado mais ou menos reto, para que a barra da vida fique mais leve.

É nessas horas, em que acredito estar acertando os error, que me vem navalhas, tesouras ou línguas a destruir o cosido e me fazer desacreditar no ser humano.

Amizades são como garrafas plásticas no mar, ora boiam, ora afundam, mas somente fazem poluir o que poderia estar limpo. E como nos desapontamos com essas garrafas! Verdes, azuis, transparentes, lindas formando continentes de sujeira a destruir a natureza das coisas.

Não sei porque ainda procuro o ponto certo pra não me desapontar, pois no final, uma hora ou outra acho a garrafa plástica entalada na garganta de um golfinho semi-morto e, nesse instante, descubro que esse golfinho tem a minha cara.

E não será esse ponto que vai me ajudar a arrumar a barra.

Ele será o ponto do nó da forca que me matará.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s