Escritos antigos e (in)completos VII

Enfiou-lhe as unhas na carne e puxou,
Urrou de dor,
Uma dor absurda que quase o fez desfalecer.
O sangue que escorria, sujava o lençol
E ela como um bicho faminto lambia o pano.

Suas costas, em carne-viva, ferviam com a dor.
Vermelha, ela, a carne viva pedia que parasse.
Mas o bicho, excitado pelo cheiro de animal ferido fremia
Procurando a fonte de tanto sangue…

Molhado então acordo deste pesadelo para descobrir-me ferido, sujo e culpado do crime que meu coração cometeu…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s