Mock poetry

Fui fruto do delírio 
Quisera do desejo. 
Saber da flor do lírio
Quem dera um beijo. 
Capricho do tédio
Sempre um ensejo
Saber-se remédio. 
Rimar-se com queijo. 
Da vida pobreza, 
Divididido ao meio.  
Dádiva de princesa. 
Poesia besta,
Emoção que represa 
Que um falso soneto atesta. 
Sem som assinado. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s