Adão

Não há gota de vida nesta agulha.
A sonda que procura a veia velha
Não pousa em correntes sãs.

A mostra rubra que suga
Não permite que expila
A água que salvará a argila

Não é costela,
O corpo sem sopro,
Nem descostelado,
O carvalho podre,
De um velho barril de amontilado.

É parca vida que resta
Mas o que sobra é minha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s